Maria Inês Lukacs

As aquarelas alegres


Há imagens que alegram os olhos e o coração. As aquarelas de Maria Inês Lukacs estão entre elas. Suas obras, geralmente marcadas pela predominância do verde, transmitem uma intensa vontade de viver e de expressar esse dom pelo uso da tinta. Cada trabalho é um universo de espontaneidade e de lirismo.

Nascida em Bauru, SP, em 7 de setembro de 1947, a artista formou-se, em 1969, em Belas Artes na Casa Pia São Vicente de Paula, elegendo dois mestres na história da aquarela: os ingleses Constable e Turner. Posteriormente, Maria Inês recebeu influências dos aquarelistas Hugo Adami, Guido Totoli e Iole Di Natale.

Após anos de lecionar inglês e português para estrangeiros, a artista hoje se dedica integralmente à arte, principalmente à técnica da aquarela, fazendo parte, desde 1991, do Núcleo de Aquarelistas da Faculdade de Artes Plásticas Santa Marcelina, onde realizou sua pós-graduação, em 1998.

Desde 1968, Maria Inês realiza exposições e já levou seus trabalhos para diversas cidades brasileiras e para países como Alemanha, Itália, México, Hungria, EUA e Portugal. Esse sucesso se deve, além das qualidades intrínsecas do seu trabalho com a aquarela, à forma muito peculiar como trabalha a temática da natureza.

As matas e paisagens brasileiras de Maria Inês, nas quais predomina a horizontalidade, apresentam diversas cores, que vão da tonalidade azul de um céu chuvoso ao verde escuro da grama embaixo das árvores, num amplo domínio da paleta na busca de um esmerado resultado estético.

Isso pode ser observado no tratamento dado às folhas, realizado com extrema delicadeza e ricas nuanças de verde. Nos entardeceres, é o vermelho que surge em um fundo geralmente diluído que revela grande domínio técnico no trabalho com massas dos mencionados tons de verde, azul e amarelo.

Nas pinceladas hábeis de Maria Inês Lukacs, a aquarela parece não ter limites. Em suas imagens permeadas de intensa poeticidade, a tinta é o meio pelo qual a artista busca e atinge o infinito, expressando a força da natureza no vigor dos troncos das árvores, índices do amor à vida presente na maioria dos trabalhos da artista paulista.

Céu, colinas, água e flores se harmonizam em aquarelas como Sorrindo para a vida, em que seqüências de pinceladas parecem ter sido realizadas sem o menor esforço. Crepúsculos com cores inesquecíveis, com céus róseos, são também habilmente colocados acima de lagos e rios, que refletem o firmamento.

Alagados paulistas com chuva e estradas do sítio na Granja Viana são imagens que exemplificam bem o trabalho de Maria Inês Lukacs. Tonalidades muito especiais de verde, intensas flores do campo e águas de diversas nuanças constituem um universo de amor à arte, pleno de elementos naturais e da conseqüente alegria de viver.

Oscar D’Ambrosio é jornalista, integra a Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e é autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp).